dudusaint

    Na frente do meu marido... Sem camisinha...

    Naquele dia estava um calor imenso em nossa cidade.

    Eu trabalhei até um pouco mais tarde, pois Fernando havia combinado de me pegar no trabalho e iríamos tomar alguma coisa e namorar um pouco.

    Apesar de casados já há algum tempo sempre dávamos um tempinho para namorarmos só os dois, mas o calor era imenso, e pensei em ligar para meu marido e passar em casa antes para tomar um banho, mas quando saí do trabalho Fernando já estava me esperando ansioso no carro.

    Desta feita saímos e fomos bebericar num relaxante e gostoso barzinho, e assim que chegamos fomos para a parte superior, ao ar livre, bebemos e falamos de todas as coisas que estavam acontecendo.

    Claro que nos excitamos, e logo depois descemos para um ambiente, tipo American Bar, daqueles com bancos almofadados para casais, em um local à meia luz, para não dizer escuro mesmo, e uma boa música, ai sim, nos beijamos, nos amassamos, nos apalpamos, e só não chegamos aos finalmente porque gostamos de fazer para valer, mas foi gostoso, e o tempo passou rápido demais, de repente, Fernando olha no relógio e já era quase onze da noite.

    Tarde para um casal com família em casa, mas ainda era cedo para quem havia aguçado todo o estoque de hormônios do corpo, saímos dali já resignados, e Fernando tomou um caminho diferente.

    Logo percebi que iríamos até um motel, ele não deixaria de sapecar a minha boceta naquela noite e, claro, ia me fazer gritar pra valer.

    Eu estava alucinada de desejo, mas qual não foi a surpresa ao pararmos diante de um luxuoso prédio, Fernando direcionou o carro e entramos naquele local.

    Eu agora, além de excitada, estava curiosa para saber o que estava acontecendo.

    Ele apenas sorria!

    Entramos no elevador e subimos até a um apartamento requintado, perguntei o que estava acontecendo e ele enigmático não dizia nada, ouvimos barulho de chuveiro e de um dos banheiros exalava uma fumaça, alguém estava tomando um delicioso banho ali, Fernando me abraçou, me deu um beijo ardente, minha boceta chorava de prazer só em pensar que levaria rola novamente na presença do meu marido.

    Fiquei molhadinha, era muito gostoso transformá-lo num corno, chupar um cacete na sua frente e depois gozar, olhando ele tocar punheta!

    Como é gostoso a gente ver o pai dos nossos filhos masturbando-se enquanto eu levo uma bela rola na boceta.

    Distraída, aproveitando a língua do meu homem, não percebi que o banhista já estava a nos assistir.

    Fernando me vira e pude ver Renato, só de toalha, encostado na parede.

    Meu olhar foi direto aos olhos do meu amante, até seus pentelhos abaixo do umbigo, formando um caminho delicioso de pelos para o cacete cheio de veias que ele possuía.

    Fernando levantou minha blusa e tirou minha lingerie.

    Meus seios excitados balançavam suavemente, o último pingo de vergonha e pudor desceu junto com minha cinta liga e as meias

    Meu marido, estava a me despir para levar rola.

    Fernando ajoelhou-se na minha frente e tirou minha calcinha, Renato ainda encostado na parede assistia a tudo, atônito, Fernando levou a língua na minha boceta, abri as pernas e comecei a esfregar minha xana na boca do corno.

    Gemi gostoso e disse, olhando nos olhos dele:

    “- Chupa, corno manso…, prepara minha boceta para receber rola com fora!”.

    Renato já alisava o caralho, Fernando meteu a língua na minha boceta me fazendo virar os olhos de tesão.

    De forma sensual afastei a cabeça do meu marido das minhas entranhas e fui em direção ao nosso amante, cheguei bem próxima e nua, deixei meu corpo tocar o corpo dele, cheiroso, de banho tomado e com tesão redobrado, ele me abraçou.

    Seus braços fortes me tomaram e sua boca me possuía com uma língua áspera e experiente, suas mãos acariciavam todo meu corpo, e cada vez que elas passavam na minha bunda eu delirava de prazer, pois sabia que o pai dos meus filhos estava ali olhando as mãos do outro homem acariciando a minha bundinha arrebitada.

    Renato, percebendo o tesão que aquilo nos causava, caprichava nas carícias, separando minhas nádegas e deixando meu cu à mostra.

    Era delicioso demais!

    Com uma das mãos ele apertava o bico dos meus seios, eu gemia de tesão, nas mãos daquele garanho.

    Ele me virou de costas para ele e começou a lamber meu pescoço na altura da nuca, a outra mão foi parar no meu clitóris, e agora eu sentia muito prazer.

    Podia ver Fernando nu, batendo punheta e se deliciando em ver a mãe dos filhos dele como uma puta nos braços de outro homem, Renato passou os dedos na entrada da minha boceta, gemi gostoso e disse:

    “- Olha corno, eu quero você olhando! Você vai assistir a tudo, não perca nada, quero que você veja e assista meu gozo intenso, isso… mete gostoso na minha boceta, Renato!”

    Ele me masturbava deixando-me maluca de tesão, Fernando cadenciava a punheta para não gozar logo.

    Ele queria assistir a tudo, e não aguentando mais, eu me virei e tirei a toalha de Renato.

    Novamente vi aquele cacete moreno, gostoso e recheado de veias.

    Joguei-me aos seus pés e disse ao meu marido:

    “- Vou chupar essa rola até a última gota de porra!”.

    Em seguida, olhei para Renato e segurei seu cacete, passei a língua na cabeça da rola, o fazendo gemer de tesão, então posicionei o cacete na entrada da minha boca e fiz aquele macho gemer de tesão.

    A rola foi deslizando em meus lábios e passei a fazer movimentos frenéticos com a boca, procurando intercalar uma boca mole para o pinto entrar bastante, e uma boca mais firme, tocando a pele do pau com meus lábios, fazia aquele cacete entrar e sair da minha boca, eu adoro chupar rola, chupo desde menina, mas agora era diferente, estava mamando uma rola dura na frente do meu marido.

    Que gostoso ver Fernando batendo punheta daquele jeito, ele não tirava os olhos da minha boca e falava baixinho:

    “- Chupa, amor da minha vida…, mama gostoso minha princesa, chupa querida…, isso, assim, engole gostoso, que delcia!”.

    Ele quase perdia o controle e gozava, mas parava e deixava o pinto balançar sozinho, sentir o gosto de outro macho, poder ver Renato se retorcendo na parede, sentir o gosto do cacete e ver meu marido ali, com o pinto duro balançando e excitado, era um prazer indescritível.

    Levei minhas mãos até ao peito de Renato e ele, entendendo minha intenção, segurou meus braços e mexia o dorso, desta feita me fodia a boca.

    De canto de olho eu contemplava Fernando assistindo a tudo.

    Ele adorava ver um cacete na minha boca, Renato mexia cada vez mais gostoso, o caralho ia até a minha garganta e voltava, eu abria a boca para satisfazer aquele homem, que delícia!…

    Fernando enlouquecido pedia para Renato gozar na minha boca:

    “- Goza na boquinha dela, enche ela de porra, quero a ver bebendo tudo, chupa sua puta, sem vergonha, mama, sua cadela, isso, me mata de prazer safada!”.

    Eu tirei minhas mãos das mãos de Renato e segurei aquele pau duro, fazendo com os lábios a fricção necessária para receber um gozo alucinante.

    O pau de Renato endureceu de tal forma que ele não aguentaria por muito tempo.

    Segurei o cacete junto ao corpo e levei minha língua nas suas bolas.

    Um gemido delicioso de macho no cio, gostoso demais lamber aquelas bolas.

    Fernando ficava maluco:

    “- Cadela safada, arrepia puta, gostosa lambe as bolas dele vadia!”.

    Eu me refestelava…, cada palavra do meu marido, me fazia ainda mais puta.

    Eu não sei o que se passava comigo, mas tinha vontade de humilhá-lo, aquilo me proporcionava prazer, eu tinha necessidade de humilhá-lo.

    Segurei o pinto de Renato e disse:

    “- Ele só goza na minha boca se você me beijar em seguida!”.

    Fernando titubeou e então mandei outra:

    “- Corno, só te dou o prazer do gozo se você dividir a porra comigo!”.

    Aquelas palavras fizeram Renato inchar o pau!

    Fernando parou de se masturbar, me fazendo sentir mais prazer ainda.

    Era bárbaro ver meu marido com a rola balançando!

    Voltei a chupar com desejo o cacete de Renato, suas veias inflaram de tal forma que seu orgasmo se aproximava, senti o gosto da porra quente, Renato direcionou o pau em minha boca e se masturbou forte, abri a boca para colher toda a porra, Fernando se masturbava alucinado, então, Renato soltou o primeiro jato de porra

    Estava quente e viscosa, super cremosa, branquinha, o segundo, o terceiro

    E logo minha boca colhia toda a porra, Renato gozava em espasmos e se retorcia todo, Fernando olhava dentro da minha boca e via o leite do outro macho.

    Ele estava satisfeito e eu tinha uma certeza: meu marido iria ver aquela cena para o resto da vida, ele gostava de verdade, Renato passava o pau nos meus lábios para esfregar as últimas gotas.

    Então eu fechei a boca e engoli aquela porra quentinha, em seguida me levantei e fui até meu marido, abracei-o e lasquei um beijo de língua para ele sentir o gosto do leite de outro macho na minha boca.

    Ele me beijou apaixonado, sua língua passeava em minha boca, me fazendo ficar alucinada.

    Eu me ajoelhei e ele se masturbou, gozando também em minha boquinha, Renato sorrindo nos assistia.

    Fernando gozou gostoso em minha boca, e caímos os três desfalecidos no sofá da sala, ficamos cochilando por um tempo e depois fomos beber alguma coisa, em seguida fomos para o quarto, numa cama de casal deliciosa, eu estava bem à vontade, toda nua e com vontade de foder a noite inteira.

    Renato disse que parecia estar no paraíso, e eu louca para dar de novo, me sentei em seu colo, passando minhas pernas sob seu corpo, enlaçando ele, nos beijamos e então eu disse que tinha a extrema necessidade de um cacete, que queria ele bem gostoso dentro de mim.

    Arrebitei bem a minha bunda e Fernando veio chupar minha boceta.

    Delirei de tesão e beijava Renato, joguei meu corpo por cima do dele e caímos na cama, Fernando sentou-se aos pés da cama, eu fiquei por cima e peguei no cacete de Renato, de costas para o seu rosto e de frente para meu marido, direcionei o pau dele para a entrada da minha boceta.

    Fernando arregalou os olhos e exclamou:

    “- Está sem camisinha!”.

    Deixei o peso do meu corpo, cair e o cacete entrou majestoso dentro da minha boceta, imediatamente passei a cavalgar:

    “- Olha bem meu corno, é sem camisinha mesmo, Renato agora vai comer a minha xana sem camisinha e o corninho vai chupar ela bem gostoso depois. Assiste aí, corno manso, assiste esse cacetão gostoso me foder!”.

    Eu falava aquilo e me sentia no paraíso, é gostoso demais, dar para outro macho na frente do marido e ainda ver ele se masturbar de tesão.

    Só quem fez isso, sabe do que estou falando.

    O cacete de Renato entrava fundo na minha boceta e eu achava o máximo aquilo tudo.

    Era gostoso demais.

    Ele apalpava minha bunda e dedilhava meu cu, me chamando de vagabunda.

    Aquilo me deixava maluca, rebolei naquele cacete bem gostoso e chamei Fernando para acariciar meu clitóris:

    “- Isso meu corno manso, mexe gostoso, quero gozar na rola dele de novo para você assistir tudinho.”

    Enquanto Fernando me acariciava o clitóris sua rola balançava, eu delirava com aquilo, era gostoso demais vê-lo se submetendo daquele jeito.

    Sempre mandão e autoritário, agora era escravo do meu prazer, ver seu cacete balançando, enquanto outro macho me fodia gostoso era demais!

    Gozei feito uma cadela no cio, rebolando no caralho de Renato, em seguida, ele se levantou, me colocou de quatro, segurei na cabeceira e sabia que ia ser comida com força.

    Entreabri as pernas e Renato atolou seu cacetão inteiro na minha boceta, segurando minhas ancas e enfiando o pau até ao talo!…

    Minhas forças foram embora, deixei o peso do meu corpo tomar conta e sem nenhum pudor apertei o cacete do Leo dentro das minhas entranhas, eu estava sentindo um orgasmo múltiplo:

    “- Bate punheta, corno sem vergonha…, enquanto eu levo rola na minha boceta, corno manso do caralho, assiste aí seu veado safado e sem vergonha…”.

    Perdi a compostura!

    Todo o tipo de sacanagem eu falava para humilhar meu marido, e gozando feito uma puta da zona, aquilo era gostoso demais.

    Renato sabia foder uma mulher, ele metia com gosto, cada palavra minha era uma estocada vigorosa, eu tremia de tesão, Fernando gozou nas minhas costas e, não aguentando o tesão, me lavou de porra, eu então gritei:

    “- Renato, meu tesudo, goza dentro, me enche de porra!”.

    Mas já era tarde demais para aquilo não acontecer, Renato levou o caralho até o talo dentro de mim, e firmemente gozou alucinadamente.

    Ele gozava arfando e falando todo tipo de sacanagem, deixou o caralho enfiado até ao talo, ele parecia querer gozar dentro do meu útero, aquilo era gostoso demais!

    Ele fez aquilo de propósito, embarcando no meu tesão, e para não deixar nenhuma sombra de dúvida, enfiou o cacete ao máximo que pode, para gozar gritando:

    “- Toma vagabunda, toma porra lá dentro da boceta, sua gostosa…, olha corno, vem ver a bocetinha dela, toda gozada!…”.

    Eu mexia a bunda e sentia o caralho lá no fundo, Renato já havia perdido as forças e, claro, eu estava ensopada de porra, olhei para Fernando e disse:

    “- Agora…, será sempre assim. Renato só vai gozar dentro e você vai bater punheta!”

    Renato foi tirando o pau de dentro de mim, arrebitei a bunda e deixei a porra escorrer…, minha boceta estava pingando porra e o pau de Renato estava todo gozado, carinhosamente me virei e coloquei o cacete dele na minha boca, deixando ele reluzente novamente.

    Colhi todo o sêmen, e ele estava acabado!

    Olhei no relógio e era quase três da manh.

    Trocamos de roupa e então fiquei sabendo que ali era o apartamento de um executivo para quem Renato prestava alguns serviços e, também, que ali servia de matadouro dele para festinhas como a nossa…

    Eu fechei minha boceta, segurando o leite de Renato comigo, voltamos para casa, e quando chegamos, claro, as crianças estavam com minha mãe, fomos direto para nossa cama, eu disse no ouvido do meu marido:

    “- Me faça gozar com essa língua gostosa!”.

    Ele se alojou no meio das minhas pernas e abriu minha boceta.

    Claro…, ela estava toda gozada!

    Fernando levou a língua e eu não acreditei naquilo, arqueei o corpo, para ver meu marido chupar minha xana toda gozada

    Relaxei o corpo para que toda a porra escorresse, Fernando lambeu todo o leite de Renato e eu, claro, gozei esfregando minha boceta na sua boca!

    Era delicioso vê-lo assim tão submisso!

    Em seguida, Fernando colocou o cacete na entrada da minha boceta e me comeu gostoso.

    Recebi a rola do meu marido dentro de mim, como nunca havia feito.

    Ele me beijou e o gosto de porra em sua boca só fez me deixar mais alucinada ainda

    Foi assim…, que terminamos a nossa noite, com mais uma aventura, Renato já me fodeu de todas as formas possíveis e imagináveis, mas não cansamos de transar.

    É uma delícia essa nossa aventura e, logo contarei a noite da curra à minha bunda.

    Foi especial e inesquecível!

    esposaputagostosa

    Leitura obrigatória pra corninho manso apaixonado… Impossível chegar ao final sem gozar na punheta!!!

    ksalgv29

    Cheguei atrasado no churrasco e vi minha esposa ser devoradadevorada

    Tudo aconteceu num domingo onde íamos ao churrasco de aniversário de um amigo.

    Apenas uns amigos mais chegados e suas namoradas. Nada anormal. 

    Dos 4 ou 5 amigos que estariam lá, 2 já tinham comido minha mulher bem gostoso. Até aí nenhum problema . O problema foi que pouco antes de sair para o churrasco tive um problema de trabalho que me atrasaria bastante. Falei pra minha mulher e ela disse que não tinha problema , que iria na frente pois tinha ficado de ajudar as meninas com a comida. 

    Terminou de se arrumar colocando o menor biquíni, pois o churrasco era na beira da piscina e queria aproveitar pra realçar a marquinha.

    A cachorra sabe que adoro exibi-la pros outros por isso não falei nada. 

    Cheguei no churrasco por volta das 15 horas. Chamei muito na frente e como não obtive resposta fui entrando. O som estava bem alto. A festa deveria estar boa. Ao chegar no canto da casa, vi todos em volta da mesa de sinuca numa gritaria imensa que nem deram pela minha presença . Quando chego mais perto vejo uma cena que quase pára meu coração. Minha mulher deitada de bruços na mesa de sinuca e meus amigos fazendo fila pra socar na sua bucetinha. Parei olhando de longe e percebi que muita porra já escorria por suas pernas . Uns aproveitavam a buceta dela enquanto outros colocavam o pau na sua boquinha fazendo a cadela delirar. 

    Fiquei sem saber o que fazer só olhando de pau duro. Eles metiam sem dó e enchiam ela de leite sem a menor pena da minha delícinha. 

    Assiti tudo até que ela disse que queria tomar um banho antes que eu chegasse. Dois amigos se candidataram pra ir junto. 

    Fiz volta e toquei a campainha. Finalmente fui atendido. Reclamaram da minha demora dizendo que minha mulher estava impaciente mas que tinha aproveitado bem a piscina . Fiz que não sabia de nada e que não estava ouvindo os gemidos vindos do banheiro. 

    Perguntei pelas meninas e disseram que todas precisaram sair mais cedo, mas minha mulher tinha sido muito prestativa com o almoço . Sentei pra tomar uma gelada e esperar ela sair do banho e logo em seguida fomos embora. A safada nem comentou nada sobre a putaria e mal imaginava que terminei assistindo tudo de camarote.

    mcorninhosantos

    Que delícia

    Trai meu marido e depois que ele chegou dei pra ele tambem.

    By: Natalia

    Oi, me chamo Natalia, tenho 32 anos, sou casada e somos de João Pessoa. O que vou contar aconteceu no ano passado 2019, e foi bem marcante para mim.

    Eu estava com meu marido passando um fim de semana num belo hotel em Recife e, no domingo, quando acordei, meu marido já havia acordado, tomado o café, e disse que o Gustavo, um amigo nosso que morava lá, tinha nos chamado para dar um passeio pela orla.

    Como eu tinha acabado de acordar, disse que preferia ficar no hotel, tomar o café e depois iria pra piscina lhe esperar. Nosso amigo passou no hotel e o pegou. Fui tomar o café, sem nenhuma pretensão, com um short branco bem colado, tamanco alto de praia, como gosto de usar, quando percebi um cara olhando pra mim. Achei ele um gato e dei uma correspondida pra demonstrar que estava gostando, e disfarçando, porque ele estava com uns amigos.

    Quando saí pra voltar ao apartamento, ele também veio e pegamos o mesmo elevador, só nós dois, e ele investiu logo, elogiando minha beleza e perguntando se eu estava só. Quando eu lhe disse que no momento sim, pois meu marido havia saído com um amigo, ele me perguntou, e eu lhe disse o número do apartamento que eu estava. Logo depois que entrei, o telefone tocou, e era ele. Batemos um papo rápido. Ele então explicou que era de São Paulo e estava com uns colegas da empresa participando de um evento em Recife. Vendo o interesse dele, resolvi aproveitar a oportunidade, e o convidei e vir no meu apartamento, o que ele aceitou de imediato.

    Eu sabia que meu marido ia demorar a chegar. Mas, só por segurança, liguei pra ele e disse que quando estivesse voltando, desse um toque no meu celular, porque eu estava na academia do hotel ou na piscina, o que ele concordou. Quando o Alberto entrou, foi logo me agarrando, beijando, ainda em pé, e me levou aos beijos até perto da cama, onde me colocou de costas, baixou meu short e lambeu minha bunda todinha.

    - Ahhhhhh!! Que homem mais safado!! - falei quando ele tirou minha minúscula calcinha, e passou a chupar minha xotinha e meu cuzinho. Gemi bem gostoso quando ele enfiou a língua no meu cuzinho e lambuzou ele todinho. Que delícia!! Depois de me deixar super excitada, ele ofereceu seu pau gostoso pra eu chupar.

    - Ohhhhh!!! Que boquinha mais molhadinha!! - ele falou todo safado quando comecei a lamber e chupar sua pica, bem gostoso mesmo. Eu chupei muito. E ele simplesmente adorou. Depois de alguns minutos ele me colocou de costas novamente, em pé e com o tronco debruçado sobre a cama.

    - Quero comer seu cuzinho, Natália!! Fiquei doido pela sua bunda desde a hora que te vi!! - ele disse e enfiou no meu cuzinho aos poucos.

    Em questão de segundos ele estava bombando bem forte e rápido. Huumm!! Só de lembrar como ele estava castigando o meu rabinho eu fico toda excitada novamente. Ele estava comendo meu cuzinho tão gostoso que ele gozou rapidinho, e me fez gozar, coisa que eu adoro. Descansamos uns 15 minutos e ele já estava me chupando novamente. Ele terminou de tirar a minha roupa e a dele também e mamou nos meus peitos, chupou minha xotinha e deitou por cima de mim, me penetrando bem gostoso.

    - Isssoooo!! Meu macho gostosooooo!! Mete na sua putinhaaa!! - falei cheia de tesão e abri bem as pernas. Agarrei aquele macho nos meus braços, beijando e rebolando debaixo dele, deixando ele louco de tesão e adorando aquele pau na minha xotinha e pedi que ele gozasse dentro, com camisinha claro, porque adoro sentiu o tremor do pau gozando dentro de mim. Quando vi que ele ia gozar intensifiquei o rebolado e gozei juntoooo. Noosssaa!!!! Foi uma delícia. Fiquei desfalecida na cama, em êxtase. Ele tomou um banho rápido, nos despedimos, trocamos o telefone e ele foi embora. Peguei uma das camisinhas com o esperma que ele deixou pra eu esconder, derramei o esperma na minha bunda, barriga e peitos e deixei secar. Queria ver se meu marido ia sentir o cheiro. Uns 20 minutos depois, meu marido ligou no meu celular, perguntou onde eu estava, e disse que estava chegando. Eu disse que estava subindo para o apartamento. Ele chegou e eu estava super excitada com a situação. Coloquei somente a calcinha preta e bem pequena, e fiz quase o que Alberto tinha feito comigo. Fui recebê-lo na porta, dei um longo beijo na boca dele, sentindo aquele cheiro de esperma no ar. Ele estranhou um pouco minha excitação, mas entrou no clima e fiz ele me lamber do mesmo jeito que o Alberto tinha feito a poucos minutos atrás. Ele lambeu meu cuzinho como ele gosta de fazer e enfiou a língua lá dentro me levando a loucura! Fiquei doidinha da cabeça, só de lembrar que há poucos minutos eu tinha sido comida por outro homem, no cuzinho e na xotinha. Meu marido disse que eu estava tão excitada que o cheiro de sexo estava no ar. E eu estava mesmo. Pedi pra ele comer meu cuzinho naquela posição, a mesma que o Alberto tinha comido. Huummm!!!! Foi uma delícia. Ele enfiou aquele pau lindo que ele tem e, eu aproveitando que ele ficou muito excitado, disse a ele que tinha ficado louca com um cara que tinha visto no hotel, no café da manhã, tinha ficado molhadinha, e que se pudesse dava pra ele. Eu disse isso porque sei que quando ele está excitado, ele entra na fantasia, não reclama nada, e até gosta, tanto que gozou bem gostoso no meu cuzinho. Ele adorou a transa e perguntou se era verdade e eu disse que sim, que tinha paquerado e o cara ficou louco, mas eu fiquei só na vontade. Ele adorou a situação, mas não me autorizou a avançar noutra oportunidade. Eu sabia que ele não deixava, por isso, dou minhas voadas quando é possível com segurança e privacidade.

  • Enviado ao Te Contos por Natalia